sexta-feira, 25 de Julho de 2014

Aveiro - Jornada de apresentação da Turma V

Gente boa,

Escrevo na excitação de mais um momento marcante na História do nosso movimento. Depois de um inicio atribulado (chegamos com 45 min de atraso devido ao trânsito!!!), demos inicio a mais uma jornada de apresentação da próxima turma da Escola de Biodanza SRT do Porto, que arranca em Setembro para 80 pessoas!!! Mas mais importante do que o número de participantes foi a diversidade de pessoas que chegaram do Porto, da Feira, de Braga, de Barcelos, de Guimarães, de Lisboa e claro está de Aveiro :-)

Foi uma sessão vivencial maravilhosa que permitiu a todos um contacto com a proposta vivencial da Biodanza como proposta de integração da identidade e reabilitação existencial. Nosso enfoque tem sido tremendo na forma como a Biodanza está a mudar a vida de muitos e o facto de sermos cada vez mais, deixa-nos de coração ao alto, tal a alegria que nos anima e nos reforça a convicção.

Obrigado a todos os presentes que com sua presença amorosa contribuiram para mais uma grande noite!

Até já, que se faz tarde (são 2h da manhã e ainda não consigo dormir…)

Beijos, abraços e mimos

Nuno Pinto - 96 289 43 74

quinta-feira, 22 de Agosto de 2013

Porque não, 'parar para dançar'?

Se estamos habituados a 'parar para pensar', porque não 'parar para dançar'? 

Afinal, pensar é apenas aceder ao campo das ideias, dos pensamentos, da razão, enquanto que dançar é um convite a aceder ao mundo vivido, pois através da dança (do movimento) incorporamos os instintos, as sensações, as emoções, os sentimentos e os pensamentos. Por isso, a Biodanza priorizou desde sempre a vivência pela dança como catalisador nos caminhos da integração. 

A dança integra a acção, o coração e a razão!



terça-feira, 20 de Novembro de 2012

Muda a tua vida: Dança!

Falo hoje sobre 'a mudança' que acontece quando se pratica a Biodanza. Advém do facto de falarmos de um sistema que tem como um dos objectivos a alteração do estilo de vida ou a reabilitação existencial. Vivemos num tempo, onde tudo está em causa, sendo que as principais referências (familiares, sociais, religiosas, politicas, etc) parecem estar em falência, não se adequando ou não servindo para nos ajudar a levar a nossa Vida com qualidade e bem-estar. Rolado Toro, falava de uma sociedade patológica, onde tudo parece ser feito 'contra a Vida' e não a favor dela ou com ela. 

A sua inspiração ao colocar o principio biocêntrico como referência central da Biodanza foi brilhante. Dançar esse princípio num ambiente enriquecido de eco-factores positivos, como é o caso de um grupo regular de Biodanza, provoca vivências integradoras capazes de levar a uma nova elaboração da Vida. É graças a isso que tantos tem conseguido 'mudar' ou alterar o seu estilo de vida, reabilitando a sua existência. Ao dançar, de acordo com as propostas do facilitador, cria-se uma oportunidade de nos perguntar-mos sobre: o que fazer, com quem viver, onde viver, de forma regular. Podendo depois elaborar e reflectir sobre as vivências experimentadas e desde aí começar a escolher o que é importante para si. Quando a família, a sociedade, a politica, a ciência, a arte, a religião, não são suficientes para responder a estas questões, que outra alternativa há senão virar-nos para nós? 

A Biodanza tem no centro do processo, a pessoa que é estimulada ou convidada a dançar num ambiente grupal protegido e cuidado por um facilitador. Aí pode encontrar os seus potenciais expressivos e desde aí começar o caminho de integração da identidade: sempre em movimento (em roda, a caminhar, a dançar, a fluir, e por aí vai...!). 

Desde o impulso interno gerado pelo movimento, a música e a emoção, surgem vivências integradoras. A relação com o mundo vai-se construindo, através do vínculo. É por esta razão que costumamos dizer que o praticante de Biodanza tem o seu processo de desenvolvimento nas próprias mãos. Facilitado por um grupo e por um facilitador, mas tomando contacto consigo mesmo e definindo suas escolhas com progressividade (cada um no seu ritmo e no seu tempo), com auto-regulação (respeitando seus limites) e em feed-back (em relação com os outros).

As danças proporcionam vivências integradoras, que geram alegria, vínculo, prazer, harmonia e é desde essas sensações que a motivação para 'a mudança' surge. De dentro! Da conexão com o seu bem-estar surge o impulso de mudança. Avassalador, porque da Vida se trata. Já não altero apenas o estilo de vida, por causa da família, da sociedade, da política, da religião, mas pela própria escolha. Pelo contacto que toma com os próprios desejos! Sou o que quero ser! Porque danço! Porque me movimento! Porque me sinto! Porque me penso! Porque me relaciono! Porque me expresso! Porque sou a alegria e o prazer! Porque... estou vivo! 

Muda a tua vida, fazendo a tua parte! A tua dança! 

'Sê a 'mudanza' que queres ver no mundo!'
Gandhi (com um toque de Pinto...)

Biodanza - grupo regular de integração
Todas as 5as feiras, das 20 às 22h
Rua Sociedade Farmacêutica, 12

Aula aberta na primeira 5a feira do mês!
Próxima é já no dia 06 de Dezembro :-)



segunda-feira, 5 de Novembro de 2012

O caminho faz-se caminhando...

O caminho faz-se caminhando... grande chavão, que contudo serve para definir a Biodanza como processo. 

Para alcançarmos algo na Vida, seja o que for, nunca dispensamos algo tão básico como o acto de caminhar. 


Em si mesmo contempla, um tempo, uma motivação, uma direcção, capacidade de adaptação e flexibilidade, vínculo, partilha, expressão e criatividade entre outras qualidades que poderíamos atribuir ao simples acto de caminhar...


Ora sendo a Biodanza um processo (caminho) de integração da identidade humana, tal só é possível, caminhando... na direcção da saúde e da alegria, do prazer e do desfrute, da expressão e da criatividade, do vínculo e da nutrição, da harmonia e da expansão da consciência, tudo isto, em contacto consigo mesmo, com o outro e com o todo que nos rodeia...

É sobre isto que irei falar na próxima 6a feira, às 19:30, em Oeiras.

Aparece!

'Quem não se envolve, não se desenvolve...' Ortega y Gasset


Beijos, abraços e mimos,

Nuno Pinto - 96 289 43 74

sexta-feira, 26 de Outubro de 2012

Hoje falo um pouco de afectos e limites

A Biodanza SRT tem como fundo a vivência do Amor e dos afectos. É para nós muito importante para a integração da identidade a capacidade de viver o amor diferenciado (dirigido a uma só pessoa, na amizade, nas relações intimas, no trabalho, na família) e indiferenciado (dirigido à humanidade, na sociedade, nos grupos, nos escolas). Por isso, o primeiro convite é abrir o peito (integração da motricidade, afectivo-motora) e deixar-se sentir também no corpo (e não só na cabeça, nas ideias, nos pensamentos), seus afectos, seus desejos, sua sensibilidade e desde aí também se constituir a agir no mundo. 

No entanto, nem todas as relações de amor são nutritivas (daí a importância de elaborar a necessidade dar limite às relações tóxicas - note-se que falamos de relações e não pessoas...)


Este mês nos grupos regulares de integração e de aprofundamento, dançamos os afectos. Muito curioso observar que a maioria das pessoas associa os afectos  ao amor incondicional e à aceitação do outro, muitas das vezes não se respeitando a si mesmo. Com medo da rejeição ou de perder uma relação muitas são as vezes em que não comunicamos nosso desconforto e 'fazemos o frete...' Sendo a Biodanza SRT uma proposta de contacto com a vida e sendo esta nutritiva 


Ora na proposta da Biodanza SRT, sendo esta uma abordagem vivencial do Amor e dos Afectos, importa elaborar também a condição de dar limite às relações tóxicas  

quarta-feira, 19 de Setembro de 2012

A regressão em Biodanza


A regressão em Biodanza é um dos mais poderosos mecanismos de reabilitação e integração da identidade.

Durante uma sessão de Biodanza existe um momento, em que os mecanismos de controlo do ego, são atenuados por danças e movimentos lentos, acompanhados de músicas com semântica melódica que induzem um estado de ampliação da percepção mediante a entrega e o abandono, criando dessa forma uma grande permeabilidade aos impulsos internos (instintos, sensações, emoções, sentimentos, pensamentos), normalmente condicionados por um ego, que na nossa cultura é na maior parte das vezes controlador, dominador, repressivo. Desta forma, a pessoa pode entrar em contacto com a totalidade do ser, de uma forma integrada, já que as vivências de biodanza são sempre orientadas para a expressão de potenciais de vida e não para resgate de memórias ou histórias que gerem mal-estar, sofrimento ou angústia. 

Durante o momento regressivo da sessão, é normal entrar em contacto com os mais diversos conteúdos, sendo que o 'estado de regressão é um retorno psico-fisiológico à etapa fetal ou perinatal, isto é, imediatamente anterior ou posterior ao nascimento. Durante o estado de regressão o indivíduo reedita condições psíquicas e biológicas da infância. A regressão pode ter um carácter renovador integrador, de reparação e compensação psico-biológica.' (in Transe e Regressão - Escola de Biodanza Sistema Rolando Toro). A regressão integradora tem um efeito anti-stress, pois diminui os níveis de tensão motivados pela excessiva actuação de um ego controlador, ou de uma rotina agitada e pressionante a todos os níveis e no retorno aos estados perinatais, promove também a reparentalização. Uma vez sentindo a nutrição neste estado permeável, podemos elaborar melhor a carência de outros tempos, em primeiro compensar e em segundo momento nutrir...


Nas pessoas normais, a regressão integrativa tem um efeito saudável. Seu efeito anti-stress é aceito cientificamente. Transe e regressão são fenômenos que freqüentemente se produzem de forma simultânea.


CAPACIDADE DE REGRESSÃO
O que é?
É a capacidade de abandonar-se à vivência com o conseqüente aumento da percepção da vida.

O que observar e avaliar?
O grau de relaxamento durante os exercícios que induzem estados de regressão.
A propensão a manter os olhos fechados durante os exercícios que o requerem.
A disponibilidade a ficar em silêncio durante a parte vivencial da sessão.
As tensões corporais que se mantêm no tempo indicam uma dificuldade para desenvolver a capacidade de regressão.